GOOGLE SITE TRANSLATOR

Registre-se em 1 minuto!

PUBLICIDADE

Mensagens de blog

Curta Nossa Página no Facebook

Gente, vou relatar aqui um fato que ocorreu com minha esposa, ela tem uma certa mediunidade mas ela não gosta e não quer explorar este lado, ela tenta bloquear, tem medo, mas as vezes acontece situações sem ela querer e não tem jeito...

Este é um caso real, aconteceu com ela, e até hoje para mim é uma das maiores evidências da eternidade para mim...

Estávamos na casa de meus pais, e no sábado de manhã ao despertar, ela viu seu pai já falecido ao pé da cama, e a chamou pelo apelido de família que costumava chamá-la, suas palavras foram: "Mana, liga pra tia porque a vó morreu". Ela ficou com aquilo na cabeça, confusa e até com dúvidas se era sonho, etc...

No domingo a tarde, ao chegarmos de viagem, ela ligou para sua tia, e realmente no sábado de manhã, sua vó havia falecido.

Para mim isso é uma grande evidência de nossa eternidade, de nossa vida que continua, e de que nossos entes queridos sempre estão com a gente. Alguns vão dizer que pode ser telepatia, mas se fosse ao meu entender viria através de uma intuição, e não em uma imagem ao pé da cama, nos chamando pelo nosso apelido, afinal não nos chamamos pelo apelido, mas sim as outras pessoas.

Também não era um sonho, uma vez que o recado foi direto, e o fato ocorreu...

E vocês, têm relatos parecidos, intrigantes? 

Vamos interagir! Abraço a todos!

Edson

Exibições: 4627

Responder esta

Respostas a este tópico

Tenho muitos relatos a respeito dessa matéria e de outras ao longo da minha vida. Portanto, só posso endossar o ocorrido porque já aconteceu várias vezes comigo e de formas diferentes.

Vou narrar uma experiência que aconteceu com meu irmão caçula. Ele sofria de insuficiência renal a após anos de hemodiálise, finalmente apareceu na fila de doadores um que era compatível com ele. Fez o transplante, fui visita-lo, ele estava bem, mas, após um mês ouve rejeição e ele perdeu o transplante, ficando por pelo menos três meses em coma. Após este período, finalmente saiu do hospital e retornou para a rotina anterior hemodiálise duas vezes por semana. Passado um tempo fui surpreendido com um telefonema já tarde da noite avisando que ele retornara ao hospital, pois havia passado por uma complicação. Neste meio - tempo entre minha visita à ele fui avisado que ele falecera. Ao chegar à sua casa me informaram que ele não tinha morrido e que havia um engano. Fui ao Hospital o visitei e dias depois teve alta. Na visita em sua casa ele me contou esta história: Realmente morrí...a morte clínica foi confirmada pleo seu médico e o corpo estava começando a ser preparado, delsigaram todos tubos, estavma iniciando a limpeza do copro, quando ele simplesmente acordou, todo mundo que ali estava saiu correndo para a rua, até o vigia do hospital quando o viu sair chamando o pessoal. Aì vem a narrativa do que aconteceu enquanto estava morto: VIu-se em uma sala sentado em um banco e a seu lado uma mulher que perguntou se ele estava mesmo morto, ao que ele respondeu que não!...que devia ter acontecido um engano, pois ele não estava morto!...e ela disse que ele estava enganado, pois que estava alí só podia ter morrido. Neste meio tempo, apareceu um senhor vestido com um terno preto que o chamou pelo nome, ao que ele confirmou e perguntou,porque estava alí. O homem lhe respondeu que se ele estava alí, é porque havia morrido, ao que ele retrucou, dizendo que não!...que ele estava enganado e que aquilo com certeza era uma brincadeira, ao que o outro respondeu que não havia engano nenhum!...que ele o acompanhasse...então meu irmão disse que se rebelou e disse que não iria de nenhuma forma que se aquilo era tão organizado deveria haver um chefe por alí e ele queria falar com ele....o outro retrucou dizendo que isto era impossível, que ninguem falava com o chefe. Então meu irmão disse que não iria com ninguem a lugar nenhum, se o chefe não fosse falar com ele e esclarecer este terrível engano. O outro então, acabou cedendo e disse que traria o chefe.Neste meio tempo, surgiu um homem que ja acompanhava de longe toda a conversa, este sentou a seu lado e disse que tomava umas pilulas para andar nas paredes e neste momento apareceram várias pessoa que faziam isto; ao olhar uma pessoa que andava no teto meu irmão disse que gostaria de fazer o mesmo e o homem lhe cedeu uma pílula e meu irmão disse a ingeriu e que imediatamente começou a andar pelas paredes e até mesmo no teto....a diversão foi interrompida quando surgiu na sala o homem que entrou com um personagem estranho, um homem baixinho, gordinho de bigodinhos compridos e este foi apresentado, como sendo o "chefe"...

a discussão aumentou seu tom e não se chegava a nenhum acôrdo, quando meu irmão finalmente disse que não tudo bem, que concordava, desde que ele (o Chefe) lhe desse algum tempo para resolver a questão. O Chefe depois de algum tempo pensando, finalmente concordou dizendo: " Tudo bem, vou lhe dar o prazo de trinta dias para que faça tudo o que pediu, depois vc morrerá e não voltará mais"....dito isto, o levou a uma sala onde havia uma mesa em forma de corpo humano e deitou-o lá....alí ele perdeu a consciência e acordou na cama do hospital....o médico ao ver o que havia acontecido não acreditava e chorava de felicidade, porque eram muito amigos, ele o acompanhava desde o início na hemodiálise e não sabia explicar o acontecido, sabia que não havia se enganado, que ele havia morrido mesmo. Tudo isto foi contado para mim por meu irmão, na casa dele no dia em que o visitei na saída do hospital. Eu o aconselhei a fazer tudo que tinha pendente e que não se desesperasse, ele reagiu com calma e me disse que não havia dúvida do que tinha lhe acontecido e que faria tudo o que tinha programado. De fato, com tudo acertado ele faleceu exatamente no trigésimo dia e exatamente da mesma maneira...teve uma crise foi internado e faleceu da mesma maneira.

Agradeço a narrativa dos amigos e amigas,pois fez com que se confirmasse uma das situações vividas por mim,não da mesma forma e óbvio!
Quando muito pequeno, via muitas coisas;pessoas,bichos em lugares onde não via e nem tinha nada e meus ficaram apreensivos pois como eu era criança,falava o que via,e ao longo do tempo fui sendo repreendido pelo que dizia.
Nesse mesmo período,eu relatava um sonho,que sempre me assustava,fazendo com que eu acordace sempre aos prantos,nisso meus pais já não aguentado mais,decidiram me levar a uma mãe de santo,pois a mesma havia dito que poderia resolver o caso.
Feito os procedimentos de suprimir o as minhas visões,a mãe de santo disse que não sabia quanto tempo eu deixaria de ver algo. O tempo passou e voutei a ver,sentir alguma presença e as vezes até interagir com essas influências, mas não me lembrava do tal sonho. Minha mãe ao perceber que eu estava novamente tendo visões,me repreendeu e me perguntou se eu estava louco.
Com 10 anos apenas,não via motivo para mentir e eu contei o que se passava. Mas ela,com seu instinto superprotetor preferiu dizer que se algo aparecer ou falar comigo,não responda e não demonstre que está vendo,pois só pode ser coisa ruim. Os anos passaram e vez em quando o sonho voltava a me aterrorizar,mas não tinha com quem falar,então,segurei a onda até que comecei a rezar e pedir pra não ver coisas e nem sonhar mais com aquilo,e assim foi feito. Cada vez mais,via menos e o sonho cessou, mas eu não tinha como esquece lo. Hoje,já com mais de 40 anos de idade,me sinto satisfeito ao poder dizer com tranqüilidade não a todos,mas aos nobres amigos,que a pouco tempo atrás,fui parado na rua por uma mulher desconhecida, que sem rodeios me disse que se eu não tomasse cuidado,morreria da mesma forma que na vida anterior.
Fiquei perplexo, me distrai e num segundo a mulher havia desaparecido.
Ainda em choque, fui pra casa e no outro dia fui falar com minha mãe sobre o ocorrido,e ela muito assustada acabou me contando o meu sonho com detalhes,de tanto ter me ouvido quando eu era criança e que eu dizia o mesmo que a mulher estranha que me parou na rua. Então caros amigos, a pouco tempo fiquei sabendo que na minha infância eu teria que ser iniciado no candomblé ou umbanda por ter um grau de mediunidade.
Pergunto aos amigos, o que posso fazer nessa autora do campeonato,sem conhecimento do que,como e em quem confiar?
Os anos se passaram,e até onde sei,o que eu ainda tenho de médium,e apenas uma sombra do que eu tinha no início,pois,passei anos suprimindo o que mesmo não temendo mas achando errado e demoníaco algumas vezes,mesmo quando me livravam de algum perigo.
Agradeço se algum dos nobres companheiros(as) pode me orientar.
Minha família não compreende e também morrem de medo de quaisquer assuntos referentes a interações com espíritos a não ser o da igreja.
Por isso,me sinto caminhando sozinho nessa estrada!

Sim, é muito normal até....

Eles comunicam sempre, mas só ouve ou vê quem tem mediunidade...

Abraço.

lourdes

Olá , vou relatar dois fatos ;

Primeiro fato;Dois sobrinhos passavam alguns dias em minha casa férias  mês de janeiro isto aconteceu noite de sábado eu não conseguia dormi  de repente ouvi passos de chinelo  levantei da cama ao sair do quarto meu corpo arrepiou todo  a casa estava com luzes apagadas  somente mentalizei irmão se é amigo pode falar ..., fiquei alguns minuto nada aconteceu  acendi as luzes  fiz uma prece voltei para meu quarto meu esposo dormia tranquilo , eu estava ansiosa sentia presença de espirito próximo de mim, novamente ouvi os passos de chinelo abri meus olhos vi um vulto branco de repente vi meu sogro desencarnado; 

Ele disse você não precisa fazer nada porque chegou a hora de eu levar ela comigo, perguntei quem ? ele sorriu e desapareceu ,  dia seguinte no domingo  as crianças felizes brincando na piscina  , eu angustiada minha vontade de pedir ao meu marido para levar as crianças embora , alegrias delas era contagiante..., eu me calei..., no outro dia segunda feira de manhã recebemos um telefonema ao qual dizia que minha sogra sofria um AVC,uma semana hospitalizada até o desencarne...,

 

Outro fato ; quando meu pai desencarnou recebemos a noticia do desencarne a noite quando deu entrada no hospital, viajamos de Goiânia ao interior de São Paulo.., durante a viagem de repente vejo duas coroas de flores ,  falei para o meu esposo vai de vagar vamos chegar na madrugada , ele disse não estou correndo ,porque você esta falando isto  respondi ainda não sei , vai acontecer alguma coisa vi duas coroas de flores  ele me disse você esta estressada respira e procura ficar calma..., no dia seguinte depois do velório do meu pai , um tio sofreu  um enfarte e desencarnou também  , entendi as duas coroas de flores ..., 

Espiritualidade esta sempre presente nos mostrando as diretrizes ...,

RSS

© 2018   Criado por Edson Luiz Pocahi.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço