GOOGLE SITE TRANSLATOR

Registre-se em 1 minuto!

PUBLICIDADE

Últimas atividades

Edilza postou um vídeo

A FORÇA DA LUZ,DA PAZ E DO AMOR - SERGIO MELLO

ENERGIA É FORÇA E A LUZ VERDADEIRA TRAZ A PAZ E O AMOR POR SER A ENERGIA PURA,LIMPA E PERFEITA RACIONAL QUE VEM DO MUNDO SUPERIOR O MUNDO DA NOSSA ORIGEM, QU...
13 horas atrás
Posts no blog por Edilza
ontem
Edilza postou um vídeo
domingo
Posts no blog por Edilza
domingo
Posts no blog por Edilza
sexta-feira
MARIA DE FATIMA MONTEIRO HOFFMAN curtiu o vídeo de Carlos Fidéllys
quinta-feira
MARIA DE FATIMA MONTEIRO HOFFMAN curtiu a postagem no blog DANÇA DIVINA de Edilza
quinta-feira
Posts no blog por Edilza
quinta-feira
MARGARIDA MARIA MADRUGA deixou um comentário para Edson Luiz Pocahi
"BOA TARDE - LINDA QUARTA-FEIRA PARA VOCÊ!"
8 Jul
MARGARIDA MARIA MADRUGA deixou um comentário para Otávio Felipe Barbosa
"BOA TARDE - LINDA QUARTA-FEIRA PARA VOCÊ!"
8 Jul
MARGARIDA MARIA MADRUGA deixou um comentário para MARGARIDA MARIA MADRUGA
"BOA TARDE - LINDA QUARTA-FEIRA PARA VOCÊ!"
8 Jul
Posts no blog por Edilza
8 Jul

Mensagens de blog

Curta Nossa Página no Facebook

A MISTERIOSA VIDA APÓS A MORTE NO EGITO ANTIGO

A MISTERIOSA VIDA APÓS A MORTE NO EGITO ANTIGO

Os antigos rituais egípcios garantiam o reencontro do corpo com o espírito

LUISE DE OLIVEIRA RODRIGUES PUBLICADO EM 22/11/2019, ÀS 08H00

A mumificação assegurava a volta do espírito ao corpo após a morte
A mumificação assegurava a volta do espírito ao corpo após a morte - Reprodução

Na História, o pós-morte sempre esteve cercado de mistérios e questões. O povo egípcio era muito ligado aos rituais funerários, com os quais demonstrava a importância que dedicava à conservação dos corpos e como isso era fundamental para que esses corpos realizassem uma boa passagem para o mundo dos mortos.

A preparação dos egípcios para a viagem para o além começava cedo. Era essencial ter consigo uma cópia do Livro dos Mortos, uma série de encantamentos que auxiliariam o morto a chegar com segurança ao julgamento de Osíris (deus da mitologia egípcia associado à vegetação e à vida no além).

Era Osíris que julgava o morto ao pesar seu coração na balança da Justiça, com a pena de Maat, a deusa da Verdade, da Justiça, da Retidão e da Ordem. O coração tinha que ter o mesmo peso que a pena.

Se fosse mais pesado, o morto seria devorado por um monstro horrendo, mas, se tivesse o mesmo peso, ele havia sido uma boa pessoa, então desfrutaria de todos os privilégios do além. Os egípcios acreditavam que passar pelas divindades e pelo processo da pesagem do coração não era uma tarefa fácil se o falecido não estivesse preparado.

Com a mumificação – que incluía o processo de secagem do corpo com natrão (um mineral composto por carbonato de sódio hidratado), retirada do cérebro pelo nariz, remoção de alguns órgãos, enfaixamento com tiras de linho e goma e enterrar no sarcófago –, os egípcios confiavam que o morto realizaria uma viagem tranquila no pósmorte, uma vez que teria um corpo para onde retornar.

Eles também identificavam o nome do falecido no ataúde, porque acreditavam que a alma (Ba, para eles) não teria para onde voltar e ficaria “perdida” caso a identificação fosse incorreta ou o nome fosse apagado. Toda a população, teoricamente, tinha acesso à mumificação, da mais luxuosa à mais simples.

E todos os tipos tinham seu valor perante os deuses. As tumbas mais luxuosas
mostram com riqueza de detalhes como se davam os rituais, que além do processo da mumificação havia a chamada “cerimônia de abertura da boca”. Objetos como os vasos canopos, muletos, shawabtis, esquifes, entre outros, eram presença obrigatória nos cerimoniais.

Nos vasos canopos eram guardadas as vísceras, e cada vaso correspondia a um deus específico, assim como o órgão depositado nele.

No sarcófago o corpo do falecido seria depositado após um processo de 70 dias de mumificação. Nesse método, as feições do rosto do falecido deviam ser preservadas, tudo para que a alma achasse o corpo mais facilmente. Os shawabtis eram pequenas estatuetas em forma humana depositadas na tumba.

Elas representavam empregados e sua função era trabalhar para o morto no além (segundo os egípcios, “já que trabalhamos arduamente durante toda uma vida, por que necessitamos trabalhar no além igualmente?”).

Além da balança da Justiça, o morto também passava pela Confissão Negativa, texto presente no Livro dos Mortos, que deveria ser recitada diante dos deuses na Dupla Sala da Verdade e Justiça. Daí a importância do coração como peça-chave no julgamento dos mortos e a preocupação em preservá-lo tão ardentemente. Para chegar bem ao outro lado, ele precisava ser puro e limpo.


+Saiba mais sobre o Egito Antigo através de importantes obras

O Egito Antes dos Faraós: E Suas Misteriosas Origens Pré-Históricas, Edward F. Malkowski

link - https://amzn.to/2r3pgNe

https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/almanaque/como-func...

Exibições: 8

Comentar

Você precisa ser um membro de Ignotus Rede Social para adicionar comentários!

Entrar em Ignotus Rede Social

© 2020   Criado por Edson Luiz Pocahi.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço