GOOGLE SITE TRANSLATOR

Registre-se em 1 minuto!

PUBLICIDADE

Últimas atividades

Edite Spiess Stauffer comentou a postagem no blog AS AGRESSÕES QUE IGNORAMOS de Edite Spiess Stauffer
"Agradeço as exibições que essa matéria teve e aos amigos de crupo que curtiram."
2 horas atrás
tinajair etinajair curtiu a postagem no blog AS AGRESSÕES QUE IGNORAMOS de Edite Spiess Stauffer
22 horas atrás
Edson Luiz Pocahi curtiu a postagem no blog AS AGRESSÕES QUE IGNORAMOS de Edite Spiess Stauffer
ontem
Rafael Gomes é agora um membro de Ignotus Rede Social
ontem
Posts no blog por Edite Spiess Stauffer

AS AGRESSÕES QUE IGNORAMOS

   Muitas vezes, somos vítimas de agressões que nem sempre nos damos conta e que com muita freqüência acontecem entre pais e…Ver mais...
quinta-feira
Edite Spiess Stauffer deixou um comentário para Tiago
"Obrigada Tiago, por ter curtido a minha postagem "O luto"Seja muito bem vindo!Encante-nos com suas postagem também.Paz e Luz!"
quinta-feira
Tânia curtiu a postagem no blog Mensagens de Sergio Mello 90 de Edson Luiz Pocahi
terça-feira
Tânia curtiu a postagem no blog Mensagens de Sergio Mello 90 de Edson Luiz Pocahi
terça-feira
tinajair etinajair curtiu a postagem no blog Mensagens de Sergio Mello 90 de Edson Luiz Pocahi
terça-feira
tinajair etinajair curtiram a discussão Diante da Lei de Cláudia Helena Berg
terça-feira
Edson Luiz Pocahi curtiu a postagem no blog Mensagens de Sergio Mello 90 de Edson Luiz Pocahi
terça-feira
Posts no blog por Edson Luiz Pocahi
terça-feira

Mensagens de blog

Curta Nossa Página no Facebook

O homicídio é um tipo de delito considerado grave em todas as legislações e em todos os tempos, divergindo a sua valorização de acordo com a cultura dessa época em que vivem os legisladores. O que pensa, porém, a doutrina espírita a respeito deste tema?

A questão do homicídio é abordada sob o titulo de Assassínio, na pergunta 746 de O Livro dos Espíritos. Interroga Kardec: “É crime, aos olhos de Deus, o assassinato?” responde o espírito: “Grande crime, pois que aquele que tira a vida ao seu semelhante, corta um fio de uma existência de expiação ou de missão. Aí está o mal.”

Aqui se inicia uma diferença entre o homicídio visto por uma ótica espírita e uma não espírita. Para os não espíritas, o homicídio é um crime em si mesmo, é a eliminação de uma vida por um modo traumático e violento, daí, no Código Penal, receber adjetivos como qualificado, premeditado, hediondo, simples e assim por diante.

Do ponto de vista espírita, entretanto, há uma sensível modificação neste ato. Segundo a Doutrina Espírita, a vida não é eliminada, mas interrompida. O homicida acredita, falsamente, que ao matar alguém livrou-se para sempre de um desafeto. O que o homicida elimina é a forma física, o corpo de seu inimigo, mas não o espírito que, não raro, do outro lado da vida, espera por ele para ajustarem contas.

Na pergunta seguinte, questiona Kardec: “É sempre o mesmo grau a culpabilidade em todos os casos de homicídio?” Resposta: “Já temos dito: Deus julga mais pela intenção do que pelo fato.” Aqui se abre um espaço para a distinção entre o homicídio doloso (com intenção) e o homicídio culposo (sem intenção). Ambos têm a mesma consequência, interrompe uma existência, mas o primeiro é, por certo, julgado com maior severidade. Um fato, entretanto, ressalta-se na Doutrina Espírita: o homicídio é muito pior para o homicida do que para a sua vítima.

Na questão 748, Kardec traz à baila uma figura jurídica muito conhecida dos juristas e mesmo dos leigos, que é a legítima defesa. Pergunta Allan Kardec: “Em caso de legitima defesa, pode Deus culpar o homicida?” Responde o instrutor: “Só a necessidade o pode desculpar, mas, desde que o agredido possa preservar a sua vida, sem atentar contra a do seu agressor, deve fazê-lo”.

Sem dúvida, o espírito concorda com o principio da legítima defesa, entretanto, observa que se deve sempre tentar evitar ao máximo a morte daquele que nos põe em risco a vida. Por certo, o espírito não quis ser radical, entretanto, numa visão estritamente cristã nem mesmo em legitima defesa se poderia matar. De um ponto de vista radicalmente cristão e espírita, mais vale receber a morte do que impingi-la a alguém. Aquele que mata, mesmo em legitima defesa, vale-se da violência contra o agressor e a violência poderia ter atenuantes, porém, jamais justificativa.

Fonte: José Carlos Leal/ Correio Espírita

Exibições: 6

Exibições: 58

Comentar

Você precisa ser um membro de Ignotus Rede Social para adicionar comentários!

Entrar em Ignotus Rede Social

© 2019   Criado por Edson Luiz Pocahi.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço