GOOGLE SITE TRANSLATOR

Registre-se em 1 minuto!

PUBLICIDADE

Últimas atividades

Posts no blog por Edilza

QUANDO O CORAÇÃO DIZ SIM!

QUANDO O CORAÇÃO DIZ SIM!QUANDO O CORAÇÃO DIZ SIM!Mensagem Diária do Arcanjo GabrielAtravés de Shelley…Ver mais...
1 hora atrás
Edilza curtiu a postagem no blog O Furo na sua Aura de Edite Spiess Stauffer
3 horas atrás
sonia hedilamar campos curtiu a postagem no blog COMO ORAR DE FORMA MAIS PODEROSA de Edilza
8 horas atrás
Lord Osiris curtiu a postagem no blog A MEDITAÇÃO NÃO MUDA NINGUÉM, TE COLOCA EM CONTATO CONSIGO MESMO de Edite Spiess Stauffer
15 horas atrás
Posts no blog por Edilza
ontem
Fernando Vesco curtiu a postagem no blog Os gatos Os protetores universais do seu lar de Edilza
ontem
Posts no blog por Edite Spiess Stauffer

O Furo na sua Aura

A questão da proteção energética e espiritual é um tema muito abordado ao longo da história. Primeiro porque já se percebeu que as influências invisíveis podem ser tão devastadoras quanto ataques físicos. Segundo porque quando se fala em forças…Ver mais...
ontem
tinajair etinajair curtiu a postagem no blog COMO ORAR DE FORMA MAIS PODEROSA de Edilza
quarta-feira
Graydon Bluhm Jr atualizaram seus perfis
quarta-feira
Graydon Bluhm Jr comentou a postagem no blog COMO ORAR DE FORMA MAIS PODEROSA de Edilza
"Bom dia! Orientações perfeitas desde que aprendi a orar parecido com essa forma minha vida mudou radicalmente e interessante é que tudo foi intuitivo e espontâneo. Aos que tiverem interesse pesquisem os pergaminhos do…"
quarta-feira
Graydon Bluhm Jr curtiu a postagem no blog COMO ORAR DE FORMA MAIS PODEROSA de Edilza
quarta-feira
Valdemar Frederico Schroer curtiu a postagem no blog COMO ORAR DE FORMA MAIS PODEROSA de Edilza
quarta-feira

Mensagens de blog

Curta Nossa Página no Facebook

Atenção ao que te incomoda, tens ali um Mestre

Atenção ao que te incomoda, tens ali um Mestre
por Ishi

Perceber que tudo o que vivemos é a nosso favor

Estamos perante um antigo ditado chinês:

“Atenta ao que te incomoda, tens ali um mestre.”

Passamos uma vida inteira a julgar. Isto é bom, aquilo é mau. Quero isto, não quero aquilo. Em simultâneo, corremos atrás do que nos convencemos ser bom, esquecendo o todo maior, a existência inteira, perseguindo uma fantasia. Mas tudo é importante, por fazer parte da existência em que nos inserimos.

Este antigo ditado, é muito difícil de interiorizar. Que mestre tenho no barulho dos vizinhos? Que mestre tenho na indiferença dos outros? Que mestre tenho, num governo que me cobra tantos impostos e retira os apoios à saúde e à educação? Que mestre tenho na forma como se conduz no nosso país?

Para percebermos isto, temos de começar por perceber o que é um mestre. Mestre, é aquele que nos ajuda a sermos nós próprios, ou seja, nos ajuda a encontrarmos o nosso próprio caminho ou via. O mestre não tem importância em si. O que é ou não, é indiferente.

Este mestre, não tem de ser forçosamente uma pessoa; uma pessoa incomodativa. Este mestre está no facto em si. É no facto em si que existe algo a ser revelado. Se estivermos muito atentos a um facto em si, perceberemos o que nos incomoda, o que temos de evitar ou de implementar nas nossas vidas.

Perante novos factos incómodos, passamos a estar gratos pela lição em vez de incomodados. Passamos a aceitar os incómodos da vida para descobrir neles as suas importantes lições: mas agindo. Sem acção não há lição. Sem prática não se gera a verdadeira aprendizagem.

Se nos recordarmos das lições da vida, das que nos ficaram fortemente enraizadas, elas contiveram emoção, significado e acção. Melhor seria, se permitíssemos um silêncio a seguir à emoção tornando-nos conscientes dela, não ficando por uma simples e cómoda explicação.

Interiorizar esta magnífica e simples lição, leva-nos a viver com um sorriso interior os novos incómodos, lições gratuitas que a vida nos dá. Também acontece outra coisa prodigiosa: cada vez menos coisas nos incomodam.

O Universo, a existência, Deus, o que lhe quiserem chamar, é omnipresente. Encontra-se em nós e rodeia-nos. Somos seus filhos queridos e os seus sinais não revelam mais que a preocupação de um pai perante os que mais ama.

Mas somos muito cegos e surdos. Somos também muito convictos de que sabemos seja o que for. Somos muitas vezes o pior ignorante; e este é o que se convenceu de que sabe. Com este convencimento ignoramos os sinais da vida, a constante informação da existência. Que é silenciosa! Não é verbal nem mental.

Uma folha ou uma flor nascem e crescem silenciosas, com uma quietude cheia de dignidade, amor e beleza.

Perceber este ditado exige contemplação. Não é a olhar para o lado. É sentir atento e profundamente os seus sinais. Sem pensar nem julgar nada, permitindo que o óbvio se revele.

Aprendi-o há bastantes anos, já nem me lembro onde. Levei muito tempo a interiorizá-lo e vivê-lo. É fácil reagirmos brutalmente ao que nos incomoda. Mas se pararmos para pensar no que têm sido as escolhas da nossa vida para estarmos a viver aquela experiência, agradecermos à existência a sua vivência.

Agradecendo, por nos tornarmos conscientes das nossas dúvidas, fraquezas e questões. Tendo assim a possibilidade de as transformar em conhecimento, força e capacidade de resposta.

Agradecendo, pela lição dada. Pelo mestre ali contido.

Por Ishi

Exibições: 515

Comentar

Você precisa ser um membro de Ignotus Rede Social para adicionar comentários!

Entrar em Ignotus Rede Social

Comentário de Edson Luiz Pocahi em 10 julho 2014 às 23:27

Certo Nanci! Problemas todos temos! O que difere é como a gente reage perante eles. Também tenho me cobrado isso... nunca é tarde para mudar, melhorar. É como diz o nosso amigo Clésio, temos que ir corrigindo os nossos defeitos!

Comentário de Maria Geni Toporowicz Dambroski em 10 julho 2014 às 14:31

Comentário de Nanci Rosa em 10 julho 2014 às 10:58

Este texto veio bem a calhar neste momento pra mim. Passei por uma situação a alguns dias atrás e tanto eu quanto às pessoas que MAIS ME CONHECEM ficaram admirados com o jeito com que eu reagi "a mesma situação", pois se fosse há uns sete, oito anos atrás teria sido bem diferente e PIOR, ou seja, as consequências seriam piores. Creio que tenho aprendido algumas lições e "estou longe ainda do quase ideal" se é que ele EXISTE. E foi através das experiências digamos RUINS E BOAS que tenho aprendido e ainda tenho MUITAS COISAS QUE "ME INCOMODAM" mas entendo que ELAS NÃO ESTÃO AÍ POR ACASO.

 

Comentário de sara venceslau em 9 julho 2014 às 22:45

hoje essa foi a lição q eu precisava.

Comentário de Edson Luiz Pocahi em 9 julho 2014 às 22:34

© 2019   Criado por Edson Luiz Pocahi.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço